[VÍDEOS] Conflitos entre Israel e grupo Hamas, na Faixa de Gaza, deixam 27 mortos

Após o início dos foguetes enviados pela Faixa de Gaza em direção a Israel e o contra-ataque do país de Netanyahu, 23 pessoas morreram desde a manhã de sábado (4.mar.2019). A informação foi confirmada pelo Ministério de Saúde da Palestina.

Os contra-ataques israelenses continuaram no domingo (5.mar). Segundo o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, os “ataques maciços contra elementos terroristas” iriam continuar devido ao país ter recebido mais de 600 foguetes durante o sábado.

Durante a manhã de domingo em reunião com ministros, Netanyahu afirmou que o grupo Hamas “tem responsabilidade não só de seus próprios ataques e ações, mas também de atitudes da Jihad islâmica e está pagando 1 preço muito alto por isso”.

Até a noite deste domingo (5.mai), Israel respondeu com ataques aéreos em 320 alvos na Faixa de Gaza. Além disso, interrompeu todas importações de combustível na área. Netanyahu disse que as forças do país ao redor do local seriam reforçadas com tanques, artilharia e infantaria.

O Egito e a ONU (Nações Unidas) tentam estreitar laços diplomáticos para encerrar os ataques de ambos os lados. Uma fonte disse à CNN que, apesar do desafio “ser grande”, os mediadores “estão esperançosos e se esforçando muito”.

Segundo a BBC, 4 pessoas foram mortas em Israel durante o sábado e domingo. Em Gaza, são mais de 23 palestinos mortos. A maioria das mortes foi no domingo. Segundo o grupo da Jihad Islâmica, 7 dos 23 eram seus membros.

Neste domingo (5.mai), os militares israelenses disseram ter assassinado o comandate do Hamas, Hamed Hamdan al-Khodari, ao divulgar 1 vídeo do momento em que atingiram seu carro.

INÍCIO DO CAOS

As Forças de Defesa de Israel (IDF) disseram que os ataques palestinos começaram com 50 foguetes disparados na manhã de sábado (5.mai). A situação perdurou até o final da tarde.

Como resposta, a IDF disse que enviou ataques aéreos contra locais de lançamento de foguetes palestinos e outros complexos militares usados pelo Hamas e pela Jihad Islâmica Palestina.

Além disso, atacaram uma mesquita em al-Shati, no norte da Gaza. Segundo o órgão, o centro religioso estava sendo usado como centro de comando e controle pelo grupo considerado terrorista.

Também fecharam a fronteira entre o país e a Faixa de Gaza e a zona de pesca que possui com a região. Um vídeo postado por internautas no Twitter mostra o momento em que uma partida de futebol teve que ser interrompida pelo início dos ataques.

Os países tinham 1 acordo, apesar de nunca reconhecido publicamente por Israel, mediado pelo Egito em março. A intenção era acordar em medidas que afrouxassem as restrições impostas aos habitantes de Gaza.

Segundo a CNN, declarações recentes de autoridades do Hamas mostraram frustação em relação ao cumprimento de promessas feitas por Israel –como a transferência de milhões de dólares para financiamento.

Até o momento, a ONU, o Catar e o Egito estão tentando intermediar 1 cessar-fogo entre os 2 lados. O líder do Hamas, Ismail Haniya, disse na noite deste domingo (5.mai), em comunicado, que “retornar a 1 estado de calma é possível” caso Israel se comprometa com 1 “cessar-fogo completo”. Fonte: Poder 360




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.