Policial é executado e tem olhos arrancados e língua, orelhas e mão decepados

O policial militar Gustavo Gonzaga da Silva, 44 anos, foi morto na madrugada deste sábado, 9, no fim de Linha do bairro de Santa Cruz, em Salvador (BA). Segundo informações da Polícia Militar, o policial passava pelo local em um veículo Onix, quando foi cercado por indivíduos da região que efetuaram disparos de arma de fogo. O cabo Gonzaga reagiu, mas foi atingido e não resistiu aos ferimentos.

Ainda de acordo com a PM, após o crime, viaturas da 40ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Nordeste de Amaralina) estiveram no local, fizeram o isolamento da área e solicitaram os agentes do Departamento de Polícia Técnica (DPT) para perícia e remoção do corpo.

A Polícia informou também que o cabo PM Gonzaga era lotado na 4ª Cia de Saúde, do Batalhão de Polícia de Guarda da Polícia Militar (BG) e integrava o quadro funcional da PM há mais de 22 anos. Ele tinha uma companheira e deixa duas filhas. Em nota, a corporação lamentou a morte do policial. O enterro será neste domingo, às 11 horas, no Cemitério Campo Santo.

Segundo informações de policiais, o militar saiu, em companhia de um pedreiro, conhecido por “Jai”, que era seu vizinho, quando foi abordado por três traficantes de drogas do bairro – conhecidos por Choquito, Keka e Leno – e executado. O policial teria sido morto com requintes de crueldade, tendo a língua, orelhas e mão direita decepados, os olhos e mandíbula arrancados, além de receber vários tiros na cabeça.

Segunda morte em pouco mais de 24 horas

Essa foi a segunda morte de policial registrada em pouco mais de 24 horas. O também cabo da PM José Luiz da Hora, 51 anos, foi encontrado baleado na noite da última quinta-feira, 7, em São João do Cabrito, Subúrbio Ferroviário de Salvador. Ele era pastor de uma igreja em Periperi, onde congregava há 17 anos, e não costumava andar armado, de acordo com colegas de religião e de trabalho.

Segundo a Polícia, o cabo teve o carro roubado e quando uma guarnição da 14ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Lobato) chegou, foi recebida a tiros pelos criminosos, que abandonaram o veículo. No entanto, um áudio que circula em grupos de policiais no WhatsApp sugere que a vítima fora baleada pela própria Polícia.

O enterro do cabo Da Hora, que fazia curso para subir de patente e virar sargento na PM, ocorreu no fim da tarde desta sexta, 8, no Cemitério Bosque da Paz, na Estrada Velha do Aeroporto.

Segundo a assessoria da PM, até sexta havia sido registradas seis mortes de policiais militares este ano, em toda a Bahia, vítimas de crimes dolosos contra a vida. Em todo o ano passado, foram 21 mortes.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.