Operação Courier apreende armamento pesado usado em homicídios

A Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH) desencadeou, na última quinta-feira (11), a Operação Courier, que significa “mensageiro”. A operação resultou na prisão em flagrante delito de Aloísio José da Silva, motoboy de 58 anos, detido no Setor Fabrício, em Aparecida de Goiânia.

De acordo com a DIH, Aloísio agia em conjunto com Bruno Rodrigues Ferreira da Silva, de 23 anos, e Maiko Jorge Rodrigues Machado, de 26 anos. Aloísio foi encontrado com o armamento que guardava, no guarda-roupas, para os outros dois, que estão presos na Casa de Prisão Provisória (CPP) e são membros de uma facção criminosa. Aloísio detinha um enorme “estoque” de armas em casa: um fuzil .556; uma espingarda calibre .12; 4 pistolas Glock .9mm (com kit rajada); 3 carregadores de Fuzil .556; 5 carregadores prolongados .9mm; 5 carregadores simples .9mm; 2 extensores de coronha; 165 munições .556; 42 munições .9mm; diversas balaclavas; R$ 19.100,00 em espécie.

A função de Aloísio, além de guardar as armas, era entregá-las para que fossem praticados os homicídios. As armas podem ter sido usadas em dezenas de homicídios perpetrados a mando da facção criminosa. Uma das vítimas foi um jovem chamado Gabriel Henrique de Oliveira Campos, de 20 anos, morto no Setor Chácara do Governador, em Goiânia, em outubro do ano passado.

A vítima foi executada por um adolescente de 15 anos, que efetuou 6 disparos de arma de fogo. O menor foi apreendido, mas já está em liberdade. Bruno Rodrigues prestou auxílio ao dirigir o veículo usado no dia do crime contra Gabriel Henrique. Ele está preso desde novembro do ano passado na CPP de Aparecida de Goiânia e tem passagens por homicídio, porte de arma de uso restrito, tráfico de drogas, e receptação. Já Maiko Jorge é considerado como o mandante do crime. Ele está preso desde outubro de 2018 na CPP, além de ter passagens por homicídio, tentativa de homicídio, roubo, porte de arma de uso restrito, receptação e associação criminosa.

A motivação do crime está relacionada à dívida por tráfico de drogas e guerra entre organizações criminosas rivais.

Fonte: Polícia Civil




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.