MP quer indenização de R$ 20 milhões do médium João de Deus

Dinheiro de João Deus será utilizado em programas de prevenção à violência contra as mulheres

O Ministério Público de Goiás entrou com ação civil pública contra o médium milionário João Teixeira de Faria ,conhecido como João de Deus, na qual é pedida uma indenização de R$ 20 milhões por danos morais coletivos e dano social. A ação tem caráter punitivo-pedagógico, por meio da responsabilização civil do acusado. O médium, de 76 anos, apesar de denunciado por centenas de mulheres que relataram abusos sexuais durante atendimentos espirituais, na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, foi indiciado pela polícia civil de Goiás em apenas quatro inquéritos. O dinheiro da indenização será utilizado para viabilizar projetos locais, regionais e nacionais de prevenção à violência sexual contra mulheres, assim como à proteção e amparo das vítimas desse tipo de agressão.

Encerrados os trabalhos da força-tarefa

A força-tarefa montada pela Polícia Civil para investigar os crimes cometidos pelo médium João de Deus encerrou, oficialmente, todos os seus procedimentos. De acordo com a delegada Karla Fernandes, da Deic, dos sete inquéritos abertos, João de Deus foi indiciado por quatro, mesmo com centenas de denúncias que foram feitas contra o médium vindas de vários estados do Brasil e até do exterior. Até o momento, foram recebidos mais de 680 contatos pela força-tarefa do MP-GO, pelo email denuncias@mpgo.mp.br . Foram atendidas mais de 310 vítimas, sendo que 160 delas, em todo Brasil, já formalizaram as denúncias por meio de depoimentos. O restante dos inquéritos conclusos foi remetido com relatório para arquivamento. A delegada informou também que todos os procedimentos que estavam em andamento na Polícia Civil de Goiás estão sendo, agora, encaminhados ao Poder Judiciário. O médium só foi indiciado em quatro em quatro inquéritos, sendo dois por abuso sexual e dois por porte ilegal de arma de fogo.

 




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.