Médicos retiram tumor raríssimo de mulher grávida e decidem revelar história a ela três meses depois

O que parecia ser uma simples cirurgia de retirada de apêndice acabou se tornando um marco na vida de Rachel Avon, 34. Grávida de seis meses, a mulher foi avisada que teria que conter uma inflamação no pequeno órgão.

Assim ela pensava. As dores abdominais que a levaram ao hospital eram um mistério e então os médicos decidiram operá-la de apendicite.

Durante a operação, a equipe descobriu um nódulo cancerígeno raríssimo, com a probabilidade de surgir em uma a cada 3 milhões de pessoas.

Naquele momento, a equipe médica decidiu remover o tumor e enviar a mulher para casa, sem que ela soubesse.

A decisão da equipe foi de não contar à futura mamãe até que ela desse à luz. E assim foi. Três dias depois, a professora foi chamada ao Hospital para o que ela pensava ser um exame de rotina.

Segundo a mulher em entrevista ao jornal britânico Mirror, “os médicos disseram que decidiram retirar o nódulo, pois se não o fizessem eu corria risco de ter que passar por uma cirurgia muito mais invasiva e perigosa futuramente”.

A razão de os médicos não terem contado é pelo fato de que Rachel estava grávida. Isso impediria ter uma imagem de ressonância magnética confiável sobre o quadro dela.

Fonte: Metro Jornal




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.