Deputado Gustavo Sebba quer fiscalização contra “fake news”.

Com o avanço da tecnologia, as notícias falsas se proliferam com rapidez e trazem graves consequências. O fenômeno tem levado comunicadores e instituições de ensino ao debate e até mesmo a um movimento no legislativo goiano, que nesta semana recebeu uma proposição do deputado Gustavo Sebba para a criação do Programa de Enfrentamento à Disseminação de Informações Falsas, divulgadas e compartilhadas por qualquer meio, seja na internet ou através de telefonia móvel. O projeto envolve a participação da Secretaria de Segurança Pública, por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (DERCC).
As mentiras são parte da história humana, mas é inegável que a tecnologia hoje facilita a propagação do que é falso. Na tribuna da Assembleia Legislativa, Gustavo usou como exemplo uma pesquisa de intenção de votos, contendo o logotipo do jornal O Popular, divulgada por pessoas ligadas a um vereador de Catalão, pré-candidato a deputado estadual, distorcendo a veracidade das intenções de votos com o objetivo de o prejudicar.
Para evitar a disseminação desse tipo de notícia, o projeto estabelece a criação de um canal de comunicação direta, onde internautas poderão relatar os fatos, encaminhar provas e ainda obter um protocolo de registro, contribuindo para a identificação dos infratores cibernéticos. Outra diretriz apresentada é o trabalho de conscientização, de modo que as pessoas aprendam a separar o joio do trigo na hora de consumir notícias.
“Muita gente já foi vítima de notícias falsas, queremos que a discussão política melhore cada vez mais, mas as fake news acabam se tornando o combustível de quem quer incendiar o debate.  Existe pessoas de bem na política. Há pessoas que trabalham todo dia em prol da sociedade, mas que acabam sendo prejudicadas com notícias falsas. Precisamos criar meios para combater isso”, avaliou o parlamentar.
Compartilhar informações, notícias, dados ou imagens falsas na internet é crime! É importante salientar aos usuários da rede mundial que os Tribunais Superiores já estão sedimentando o entendimento acerca da matéria jurídica, para combater esse tipo de crime nas Redes Sociais, onde os resultados estão sendo bem contundentes para os divulgadores.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.