Companheiro de Boechat nas manhãs, Simão comenta morte do amigo

Devastado. Foi desta forma que José Simão se definiu diante da morte do jornalista Ricardo Boechat, com quem conversava ao vivo na rádio Band News FM de segunda à sexta

“O que mais me dói é não poder falar com ele todas as manhãs. Isso que está me deixando mais devastado. Ele era um carioca da gema. Nossa química foi instantânea. Foi ‘pah’, desde o primeiro dia”, disse ao jornalista José Luiz Datena.

“Ele era um vulcão quando entra em erupção. Eu estou tentando digerir isso. Nossa dupla jamais será retomada. A gente perde um dos maiores jornalista. Inacreditável isso”, complementou.

Aos 66 anos, Boechat voava de Campinas para a capital paulista quando o helicóptero que o transportava caiu no Rodoanel, na Grande São Paulo.

Fonte: Notícias ao Minuto




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.